Instagram Top Grid

Siga-me no:

  • Post Image
  • Post Image

Oie Galerinha, tudo bem por ai? Por aqui tudo tranquilo. Bora conversar um pouco!black and white woman

As discussões sobre racismo vêm se acirrando nas redes sociais e mídia. Agora que celebridades tem se tornado alvos constantes das injurias raciais, o racismo é um tema que as pessoas estão sendo obrigadas a debater e não tapar os olhos. Mas do mesmo jeito que os brancos se organizam para linchar negros, os negros tem se organizado também com a finalidade de não se deixar abater com as ofensas e algumas vezes o oprimido acaba reproduzindo atitudes do opressor como mecanismo de defesa, assim palavras como palmito, leite azedo e outras ofensas são retribuídas aos brancos.

E essas ofensas também devem ser consideradas racismo? Para alguns brancos sim, é inadmissível que ser chamado de palmito não seja tão ofensivo e tenha não tenha o mesmo peso que chamar um negro de macaco. Mas a verdade é que realmente não é racismo. O racismo não se basta apenas nas palavras, racismo é quando a raça opressora se beneficia economicamente, socialmente, psicologicamente e politicamente sobre a raça oprimida e para que o racismo contra os brancos se tornasse real uma mudança drástica teria que ocorrer. Mais de 500 anos de escravidão  precisariam ser revertidos e uma estrutura modificada, assim os negros passariam a ser a etnia dominante e se beneficiariam socialmente.

Para começar essa mudança, a Europa deveria ser colonizada pelos povos da America,Oriente Médio e África. Escravizando pessoas brancas e durante séculos afirmar que estas estão sendo escravizadas por terem intelecto inferior e usar da religião para justificar os feitos em nome de um poder divino. Depois de muitos anos negando direitos aos brancos, seriam libertados da escravidão, entretanto continuariam sem oportunidades e jogados a margem da sociedade e com poucas chances de mobilidade social até hoje seriam periféricos, ocupando os índices mais altos de pobreza e violência. Seriam influenciados a odiar suas feições por uma mídia racista que ditaria apenas a beleza negra como a ideal. Imaginem brancos fazendo cirurgia para deixar o nariz mais largo, passando horas se bronzeando para tentar ter mais melanina na pele e gastando horas em um salão para encrespar os cabelos? Cômico, se não fosse trágico.

Mas é exatamente o que acontece com os negros no Brasil. Falar de racismo reverso é no mínimo desrespeitoso com uma parte da população que vem sofrendo há séculos. Se ainda não acredita é só pesquisar dados, a expectativa de vida de um negro é menor que a do resto da população, pessoas brancas tem quase o dobro da renda de uma pessoa negra, em 2010 o numero de pessoas afro-brasileiras envolvidas em homicídios eram 76,6%. Preconceito todo mundo sofre, faz parte da vida de qualquer um, mas se você é branco, com certeza não é racismo.

E outro tema que gera discussões seria: os negros podem ser racistas com negros? Também não. Desde a infância ouvimos coisas como “negro quando não suja na entrada, suja na saída.””este é um negro de alma branca” “tinha que ser preto” , são ditados populares que foram passados por gerações desde a época da escravatura, que fazem jus a nossa cultura (racista) e sem análise crítica acabamos reproduzindo. Assim que funciona com os negros que se sentem “morenos” e as vezes até brancos,ou nunca pararam para pensar sobre certas coisas ditas inconscientemente, eles não estão sendo beneficiados e só reproduzem o racismo que sofreram desde crianças. Portanto se uma pessoa não se beneficia da discriminação que reproduz, ela não pode ser racista. O mesmo para mulheres que reproduzem machismo e lgbts que são lgbtfóbicos.

 

assinatura Sá ollebar

3
Compartilhe

Você também pode gostar

Comentários no Facebook